Resposta ao jornalista que estava no Legacy se bateu no avião da Gol


A carta que um advogado brasileiro enviou ao jornalista americano

– Joe Sharkey, que estava no Legacy, que causou a queda do trágico vôo 1907 da Gol, vale a pena ler:

Prezado jornalista Joe Sharkey:

Tenho lido o que você fala e escreve desde que se envolveu no triste desastre aéreo amplamente noticiado. Tenho lido e não tenho gostado. Resumo dos fatos: o avião em que você viajava colidiu com um Boeing 737, que caiu na selva, interrompendo a vida de 154 seres humanos produtivos e inocentes – em sua maioria, gente de alta qualificação técnica e humana, o que agrava a perda e a estende a toda a sociedade brasileira.

O seu avião, produzido no Brasil, resistiu ao impacto e aterrizou numa base da Força Aérea Brasileira, na qual – até onde se sabe – você e os demais sobreviventes foram acolhidos, assistidos, bem tratados e respeitados. Tiveram que depor perante a polícia e a aeronáutica, talvez mais de uma vez. Nada mais natural. Não há notícias de que você tenha sido ofendido, pressionado ou desrespeitado.

Sua primeira preocupação após ser liberado foi voltar aos Estados Unidos. Você sabia que, em casa, poderia desempenhar o seu papel: contar aos conterrâneos sua aventura na selva. Dar a sua versão dos fatos – precipitada, supérflua e desprovida de fundamento técnico. Compartilhar o cinismo simplista do cidadão ignaro, sugerindo que os pobres pilotos do primeiro mundo estariam nas mãos sujas da polícia cucaracha.

Construiu uma imagem dos pilotos como se eles fossem presos políticos numa republiqueta da América do Sul, sujeitos a prisões fétidas e dependentes de um expresso da meia-noite que os salvasse da selvageria. Gostaria de imaginar que você não está faturando com o episódio. Gostaria de saber que você não está cobrando para dar entrevistas, não pôs a venda a sua história e não pretende publicar um livro.

Como você mesmo disse, você está tendo seus quinze minutos de fama. Vende uma história facilmente digerível ao americano comum, cheia de insinuações de tortura, atos de bravura à lá Indiana Jones e suspense policial. Tratou rapidamente de inocentar os pilotos e acusar a ineficiência dos radares brasileiros.

 
Temos nossos graves defeitos, Joe. Nossas cadeias são fétidas, nossa polícia é ineficiente e nossa distribuição de renda é inumana. Nossa sociedade é quase tão injusta quanto a sua. Vide seu presidente. Mas entre nossos defeitos, não está o de maltratar os estrangeiros.
 
Seria mais útil e honrado de sua parte contar um pouco das vidas que se perderam na tragédia. Contar que, no vôo 1907, estavam cientistas e voluntários brasileiros que defendiam a preservação da Amazônia. Gente que lutava contra a prostituição infantil, professores, estudantes de medicina,
crianças. Contar sobre o antropólogo estrangeiro, casado com uma brasileira, que trabalhava com comunidades indígenas. Poderia até contar a história do cidadão norte-americano que viajava sobre a selva.

Poderia ter ficado aqui e narrado ao seu público o tratamento que a empresa Gol está dando à tragédia, um exemplo de postura que eu nunca tinha visto em situações semelhantes, aqui ou no “primeiro mundo”. Poderia ter descrito o trabalho sobre-humano dos valentes “marines” brasileiros, que até hoje estão enfrentando corajosamente a violenta mata amazônica na busca de sobreviventes e, na sua inexistência, na remoção dos corpos, enfrentando um inferno que nunca será suficientemente descrito.

Poderia ter se contido no julgamento dos culpados. Nem você, Joe, sabe quem são eles. E não estou condenando os pilotos. Não incorrerei no seu erro. Pelo contrário: eles têm a minha solidariedade pois, ainda que tenham tido a
maior fatia de culpa, certamente não tiveram a intenção. Eles também são vítimas desse desastre, como o cidadão honesto e trabalhador que,  distraído, cruza um sinal vermelho e causa a morte de inocentes.

Os fatos têm que ser apurados. Pilotos, fabricantes das aeronaves, companhias aéreas, fabricante do transponder, controle de tráfego aéreo. Temos que aprender com a tragédia e evitar que outras semelhantes ocorram. Em respeito às vítimas do 1907.

Os culpados têm que ser punidos, independentemente de sua intenção. Deus queira que não sejam os pilotos, porque nenhum cidadão da Terra merece carregar esse peso para o resto da vida. Quanto a você, Joe, perdeu uma grande oportunidade de ser útil à humanidade. De fazer valer a vontade divina de salvar a sua vida. De escrever seu nome na história do jornalismo. De ter um pouco mais do que seus quinze minutos de fama.

Gustavo Lessa Neto
Advogado brasileiro
lessaneto@msn.com

Anúncios

Comenta aê!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s