Seção Gestão Semanal: O Bêbado e a Equilibrista


O BÊBADO E A EQUILIBRISTA
© Mario Persona
http://www.mariopersona.com.br/cafe/archives/00000195.htm

Quando eu e outros participantes de um evento em Brasília fomos deixados no hotel, o check-in se deu em duas etapas. Primeiro o gerente distribuiu a tradicional ficha para preencher e depois um menu, enquanto anotava a escolha de cada um. Ingênuo, fiquei surpreso ao não encontrar peixes, massas, ou saladas naquele menu. Só carne.
 
Tomei uma gelada do gerente e dos outros ao optar pelo jejum. Naquela época, turismo sexual era prática rotineira em grandes hotéis. Na recepção do hotel onde agora escrevo esta crônica há um aviso informando que a empresa é solidária com as medidas do governo de combate ao turismo sexual e à pedofilia. As coisas estão mudando. Sim, só na casquinha, mas estão.

Quando adolescente, fumar era, para os meninos, uma forma de afirmar a masculinidade. Para as meninas, o delicado bastonete equilibrado entre os dedos de uma mão levantada, o cotovelo apoiado no pulso da outra, e as argolas de fumaça fugindo de lábios de batom, formavam uma sensual imagem da sofisticação.

As páginas da “Seleções do Reader’s Digest” mostravam casais em trajes de gala fumando ao lado de uma limusine. Eram assim as propagandas e era perfeitamente natural uma revista dirigida à família promover o fumo.

Aí o cowboy teve câncer e o governo transformou a propaganda do tabaco em fumaça. No início as agências protestaram, os publicitários protestaram, os artistas protestaram. Com razão, pois o dinheiro iria secar e cada um queria defender o seu.

As agências tentaram ainda associar o risco de fumar ao risco gostodo dos esportes radicais, mas não durou. “Veja!”, diziam os anúncios para o subconsciente, “Eu também corro risco de morrer e estou ótimo!”. Hoje equilibristas e artistas olham em redor antes de acender. Vai que tem um papparazzi… Na defesa da imagem, vale até se abster.

Bebida e artista sempre andaram de mãos dadas, só que isso também parece que pode acabar. Com as estatísticas galopantes de crianças e adolescentes alcoólatras, no futuro é improvável que uma famosa rebole de copo na mão, se quiser evitar tomar uma gelada do público. Falsa moral? Não, olho no capital.

Por que você acha que grandes empresas investem em educação, saúde e empreendedorismo? Porque gente burra, doente e pobre não compra. Os jovens empreendedores serão os endinheirados de amanhã, com saúde para viver e comprar por cem anos e educação para querer produtos mais sofisticados. E caros.

Quando o governo decide banir o fumo ou mandar os artistas do bar de volta para a novela, está pensando em economizar com doenças respiratórias, cirroses e acidentes de trânsito. Quando dá as boas vindas à proliferação da religião e redução da promiscuidade, está de olho na conta do coquetel anti-HIV.

Se você acha que já viu tudo, aguarde para ver a gelada que vão tomar os atores de filmes explosivos de ação. Se não digitalizarem logo o fogo e a fumaça, Tom Cruise vai ter uma missão impossível para preservar sua imagem. É que hoje, na Califórnia, Hollywood já aparece em segundo lugar entre as indústrias que mais contribuem para o aquecimento global. Só perde para as refinarias de petróleo.

Antigamente algumas empreiteiras, nas obras que exigiam acampamentos de trabalhadores, mantinham um cafetão na folha de pagamento. Obviamente o cara tinha outro nome e função, algo como “responsável pela aquisição de válvulas de escape para peões”. Era também quem comprava e instalava lâmpadas vermelhas.

Para os peões de luxo — executivos e clientes em grandes feiras e convenções — a coisa não era diferente. A programação incluía casas noturnas e aqueles menus que não têm peixes, massas ou saladas. Isso está mudando.

Os stakeholders — literalmente aqueles que seguram as estacas para manter a barraca em pé — não querem ver sua marca no jornal de amanhã. Seria o maior barraco seu patrocinado morrer do coração debaixo de uma garota de programa ou ser preso com uma adolescente.

Imagem é dinheiro, e o mundo continuará assim: moralista quando interessar, e investindo em mísseis quando for para lucrar. Enquanto isso, equilibristas inteligentes deixarão de lado as garrafas e ficarão longe do bêbado, antes que seus stakeholders chutem o pau de sua barraca.

E não só eles, mas qualquer profissional que estiver preocupado com sua imagem evitará até mesmo aquela clássica limpeza de nariz no elevador. Lá dentro tem uma câmera e aqui fora tem um YouTube.


Mario Persona http://www.mariopersona.com.br é palestrante, consultor e autor de Marketing Tutti-Frutti e Marketing de Gente.

Anúncios

Comenta aê!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s